sexta-feira, 3 de julho de 2009

CESÃO ACADÊMICO III - ENFIM (¬¬)

E pra terminar com essa parte do meu trabalho que estou compartilhando com vocês...

A ANÁLISE DA VIP:

Sendo esta uma revista masculina, o texto é muito mais direto na sua forma de expressão. Não usando muitos eufemismos, muito menos expressões amáveis ou “fofas”, tentando levar o texto sempre para um lado mais cômico ou pelo menos leve, mas não pela atenuação de termos, e sim pelo escracho das expressões.

Não existe uma entrevista explícita. O jornalista Celso Miranda, relata uma história que torna-se paralelo para a conquista de Cielo e relata trechos de sua conversa com o esportista.

A tônica da entrevista é mostrar que César é um jovem, com um volume grande de experiências de vida, o que o colocam como um adulto, mas que ainda tem muito da vida para aproveitar. Como a maioria dos leitores da revista: jovens adultos, que estão buscando o sucesso profissional (ou que já o tem), mas nem por isso querem deixar de se divertir.

A matéria faz um paralelo interessante e até mesmo inusitado: arte e esporte. A introdução da mesma conta a breve história de uma entrevista do artista moderno Alfredo Volpi e através de uma bela frase dele, começa a contar a história do ouro olímpico de César Cielo. “Este (...), eu levei 86 anos, sete meses, 20 dias e meia hora”, teria dito Alfredo Volpi sobre um de seus famosos quadros de bandeirinhas, que parecem ficar mais fáceis de pintar com o passar do tempo. Celso Miranda escreve o seguinte sobre a medalha de ouro de César Cielo: “César era o mais novo entre seus adversários e acabara de nadar 37 braçadas em exatos 21 anos, 7 meses, 5 dias e 8 horas e mais... surpreendentes 21 segundos e 30 centésimos (...)”.

Uma série de termos “masculinizados” está presente pelo texto: “ideia de moleque”, por exemplo. Além do tom extremamente coloquial da matéria, fazendo uso de diversas expressões próprias da linguagem oral: “né”, “pra” etc.

Toda a matéria procura se centrar no lado profissional e esportivo de Cielo. Contando desde o início sua carreira nas piscinas, e todo o apoio e direcionamento da família nessa trajetória vencedora, porém sofrida.

A matéria deixa tão claro que não quis “invadir” a vida pessoal e a intimidade do atleta que em seu parágrafo final escreve: “Cesão atendeu o dois telefonemas em seu celular enquanto dava a entrevista. Um da mãe, Flávia. Outro ele não disse de quem. E eu também não perguntei. É sexta à noite, chove lá fora e, quer saber, jornalismo tem limite”. Ainda nesse mesmo trecho é perceptível um dos poucos tons de intimidade dessa matéria. Chamar o atleta de “Cesão” é uma coisa mais restrita a fãs, familiares e amigos.

O ensaio fotográfico, que toma 6 das 10 páginas dedicadas à matéria, segue uma linha mais formal, por causa do tipo de figurino. Mas não perde em sensualidade e ganha descontração em alguns momentos. O ensaio propõe-se de moda, pois traz a descrição das peças usadas e o preço das mesmas. São como que sugestões de roupas que os leitores podem usar no escritório e em outros momentos mais formais de seu dia a dia. Como todo homem quer parecer sedutor, é preciso que se mostre que mesmo em toda formalidade da vestimenta, é possível estar atraente. E a descontração é necessária para deixar claro que a seriedade da roupa não deve conter o temperamento bem humorado do homem dentro do blazer ou do terno.


E aí, que nota vocês me dariam só por esse trechinho?! A nota que a professora me deu, me satisfez (e a Flávia também achou boa... hehe), mas quero saber no conceito de vocês!

Beijocas Celestes!!!

P.S.: não postei vídeo porque meu note tá de frescura de novo... mó chato com internet, e pra não travar nada, nem vídeo nenhum eu to assistindo...

5 comentários:

Karinny disse...

Patty fía vc escreve muito visse, adorei!!!

Na análise da TPM é corretíssimo isso de mulher nunca falar diretamente as coisas, sempre deixa tudo no ar hehehehehehe o q fica claro no trecho q vc trouxe como exemplo :D

Detalhe oq a mulherada quer ver na revista??!!! TODOS OS ÂNGULOS :D ai delíciaaaaaaaa!!!

Arrasou amiga eu daria 10; putz nunca reparei nessas diferenças de abordagem e escrita.

Parabéns!!!

Patrícia Angélica disse...

obrigada, Ká!!

eu sempre gostei de reparar nessas diferenças... até pq elas nao estão presentes apenas na escrita, mas na fala e em todas as formas de comunicação!!

isso é mt bem explicado por uma vertente chamada sociolinguística...

meu trabalho lidou com isso... as diferenças do discurso devido aos diferentes grupos sociais...

jeh ferraz disse...

Nossa........por incrível q pareça eu tb tô estudando isso na faculdade......sociolinguística....eu faço letras e vejo isso toda hora......
E quanto ao trecho do trabalho....eu achei mto bom.......principalmente a parte em q vc fala do ensaio fotográfico....
bjuuu

jeh ferraz disse...

Nossa........por incrível q pareça eu tb tô estudando isso na faculdade......sociolinguística....eu faço letras e vejo isso toda hora......
E quanto ao trecho do trabalho....eu achei mto bom.......principalmente a parte em q vc fala do ensaio fotográfico....
bjuuu

amandinha_yes disse...

amei as analises q vc fez das revistas!!!! eu estava louca, esses, dias atras dessas revistas soh por causa da materia do cesao!!!
vc escreve mttt beeeeemmmmm!!!!!!super parabénss!!!
bjuss