sábado, 20 de dezembro de 2014

Em abertura do Brasileiro Sênior, Cesar Cielo faz segundo melhor tempo do ano nos 50m borboleta

O primeiro dia de provas do Brasileiro Sênior e do Torneio Open de natação teve cinco recordes e seis índices para o Mundial em piscina longa de Kazan, na Rússia, em 2015. Além disso, a abertura da competição no Rio de Janeiro teve Cesar Cielo com o segundo melhor tempo do mundo no ano nos 50m borboleta.
Medalhista olímpico, Cielo fez 22s91 no período da tarde nos 50m borboleta masculino e quebrou o recorde da competição (22s95), além de ter obtido o índice para o Mundial de Kazan. Outro destaque da prova foi Nicholas Santos, que terminou com o tempo de 23s01.
Cesar Cielo se mostrou muito satisfeito com seu desempenho nesta quarta-feira e exaltou a disputa com Nicholas.
"Estou satisfeito mais por nadar pra 22s de novo. Foi uma boa prova. Sempre uma briga saudável com o Nicholas. A gente vem tendo um sucesso bacana nesta prova, mas isso aqui é um campeonato de piscina super longa porque a gente vem de um Mundial em piscina Curta. Nós olhamos pra frente e vê ainda um montão de parede", disse Cielo.
Equipe de Cielo, o Minas Tênis lidera as duas competições realizadas simultaneamente na piscina do Botafogo. No campeonato da manhã, o Brasileiro Senior / Troféu Daltely Guimarães, o clube mineiro totaliza 107 pontos, seguido pelo Pinheiros, 104 pontos, e o Sesi, 65. Já na competição da tarde, o Torneio Open, o Minas Tênis está com 113,50 pontos. Logo a seguir aparecem o Sesi, 87, e o Pinheiros, 78 pontos.
Resultados - Torneio Open - 1ª Etapa - 17/12/14
100m Costas Fem - Etiene Medeiros - Sesi/SP - 1m01s10 - Recorde de Campeonato / 2) Maria Pessanha - Fluminense - 1m04s26 / 3)Tatiana Adorno - Minas Tênis - 1m04s45 
100m Costas Masc - 1) Guilherme Guido - Pinheiros - 54s10 / 2) Thiago Pereira - Sesi/SP - 54s54 / 3) Fabio Santi - Pinheiros - 55s28
50m Borboleta Fem - 1) Daynara de Paula - Sesi/SP - 26s42 - Recorde de Campeonato / 2) Bruna Rocha - Corinthians - 26s52 / 3) Daiene Dias - Botafogo - 26s71
50m Borboleta Masc - 1) Cesar Cielo - Minas Tênis - 22s91 - Recorde de Campeonato / 2) Nicholas Santos - Unisanta - 23s04 / 3) Henrique Martins - Minas Tênis - 23s44
50m Peito Fem - 1) Jhennifer da Conceição - Flamengo - 31s86 / 2) Ana Carla Carvalho - Pinheiros - 32s08 / 3) Beatriz Travalon - Pinheiros - 32s11
50m Peito Masc - 1) Felipe França - Pinheiros - 27s04 / 2) João Gomes Junior - Pinheiros - 27s14 / 3) Felipe Lima - Minas Tênis - 27s52
800m Livre Fem - 1) Bruna Primati - Sesi/SP - 8m44s30 / 2) Viviane Jungblut - Grêmio Náutico União - 8m47s03 / 3) Carolina Bilich - Minas Tênis - 8m54s69
1500m Livre Masc - 1) Miguel Valente - Minas Tênis - 15m16s69 - Recorde de Campeonato / 2) Lucas Kanieski - Minas Tênis - 15m22s84 / 3) Luiz Rogério Arapiraca - Unisanta - 15m33s12
Resultados Complementares - Brasileiro Sênior - 1ª etapa
800m Livre Fem - 1) Jessica Cavalheiro - Sesi/SP - 8m58s27 / 2) Ana Marcela Cunha - Sesi/SP - 8m58s60 / 3) Moyra Wanderley - Acbe/BA - 9m18s27
1500m Livre Masc - 1) Miguel Valente - Minas Tênis - 15m16s69 - Recorde de Campeonato / 2) Lucas Kanieski - Minas Tênis - 15m22s84 / 3) Luiz Rogério Arapiraca - Unisanta - 15m33s12
Rev. 4x100m Livre Fem - 1) Sesi/SP - Etiene Medeiros, Priscila de Souza, Daynara de Paula e Jessica Cavalheiro - 3m43s51 - Recorde de Campeonato / 2) Pinheiros - Julia Ama, Priscila dos Santos, Mariana Olguin e Larissa Oliveira - 3m46s86 / 3) Minas Tênis - Manuella Lyrio, Lorrane Ferreira, Roberta Albino e Carolina Bergamaschi - 3m48s41
Rev. 4x100m Livre Masc - 1) Pinheiros - Leonardo Alcover, Marcelo Chierighini, Henrique Rodrigues e João de Lucca - 3m16s43 / 2) Minas Tênis - Cesar Cielo, Henrique Martins, Marcos Macedo e Fernando da Silva - 3m17s39 / 3) Corinthians - Fernando Ernesto, Thiago Simon, João Amorim e Ricardo Oliveira - 3m20s07
Índices superados para Mundial de Kazan
100m Costas - Guilherme Guido - 53s73
50m Borboleta - Cesar Cielo - 22s91
50m Borboleta - Nicholas Santos - 23s01
50m Peito - João Gomes Jr. - 26s89
50m Peito - Felipe França - 27s04

-

Cielo faz "temporal" e já tem índice para Mundialal de Kazan


O

O primeiro dia de provas do Brasileiro Sênior e do Torneio Open de natação teve cinco recordes e seis índices para o Mundial em piscina longa de Kazan, na Rússia, em 2015. Além disso, a abertura da competição no Rio de Janeiro teve Cesar Cielo com o segundo melhor tempo do mundo no ano nos 50 m borboleta.
Medalhista olímpico, Cielo fez 22s91 no período da tarde nos 50 m borboleta masculino e quebrou o recorde da competição (22s95), além de ter obtido o índice para o Mundial de Kazan. Outro destaque da prova foi Nicholas Santos, que terminou com o tempo de 23s01.
Cesar Cielo se mostrou muito satisfeito com seu desempenho nesta quarta-feira e exaltou a disputa com Nicholas. "Estou satisfeito mais por nadar pra 22s de novo. Foi uma boa prova. Sempre uma briga saudável com o Nicholas. A gente vem tendo um sucesso bacana nesta prova, mas isso aqui é um campeonato de piscina super longa porque a gente vem de um Mundial em piscina Curta. Nós olhamos pra frente e vê ainda um montão de parede", disse Cielo.
Equipe de Cielo, o Minas Tênis lidera as duas competições realizadas simultaneamente na piscina do Botafogo. No campeonato da manhã, o Brasileiro Senior / Troféu Daltely Guimarães, o clube mineiro totaliza 107 pontos, seguido pelo Pinheiros, 104 pontos, e o Sesi, 65. Já na competição da tarde, o Torneio Open, o Minas Tênis está com 113,50 pontos. Logo a seguir aparecem o Sesi, 87, e o Pinheiros, 78 pontos.
Índices superados para Mundial de Kazan
100 m Costas - Guilherme Guido - 53s73
50 m Borboleta - Cesar Cielo - 22s91
50 m Borboleta - Nicholas Santos - 23s01
50 m Peito - João Gomes Jr. - 26s89
50 m Peito - Felipe França - 27s04
-

Cinco recordes, seis índices para Kazan e Cielo brilhando nos 50m borboleta

Provas da tarde/noite desta quarta-feira foram pelo Torneio Open, no Rio

A natação do país foi muito bem no primeiro dia de provas do Brasileiro Sênior e do Torneio Open, nesta quarta-feira, na piscina do Botafogo, no Rio de Janeiro. A tarde teve cinco novos recordes da competição com alguns tempos superando marcas já antigas, de 2009.

As primeiras disputas do Torneio Open 2014 teve ainda Cesar Cielo com o segundo tempo do mundo este ano nos 50m borboleta e o Minas Tênis no topo das duas competições. Os dois eventos são seletivas para o Mundial em piscina longa de Kazan, na Rússia, em 2015, e já somam seis índices.

Os 50m borboleta masculino teve a boa disputa entre Cesar Cielo, do Minas Tênis, e Nicholas Santos, da Unisanta/SP. Na parte da manhã, no Brasileiro Sênior, Nicholas levou a melhor fazendo 23s01 e baixando do índice para o Mundial (23s07). Na parte da tarde, Cesar fez 22s91 e além de índice, quebrou o recorde da competição (22s95) que Nicholas fez ano passado, em Porto Alegre. No Open deste ano, Nicholas ficou com a prata (23s04) e Henrique Martins, também do Minas Tênis, ficou com o bronze (23s44).

Nos 50m borboleta feminino Daynara de Paula, também do Sesi/SP, por um centésimo nos 50m borboleta, superou seu antigo recorde de campeonato (26s43) feito em 2009. Na decisão do Open, ela marcou 26s42. Bruna Rocha (26s52), do Corinthians, e Daiene Dias (26s71), do Botafogo, completaram o pódio.

Etiene Medeiros, do Sesi/SP, caiu na piscina nos 100m costas, fez 1m01s10, bateu o recorde de campeonato que ela mesma superou ano passado (1m01s48), mas ainda não baixou dos 1m00s25 necessários para o Mundial dos Esportes Aquáticos de Kazan. A prata da prova ficou com a atleta do Fluminense, Maria Pessanha (1m04s26), e o bronze com Tatiana Adorno (1m04s45), do Minas Tênis.

Entre os homens, Guilherme Guido fez outra vez abaixo do índice para o Mundial. Ele venceu os 100m costas do Open com 54s10 e o índice era 54s36, mas no Campeonato Brasileiro Sênior, pela manhã, ele estabeleceu marca melhor (53s73). Thiago Pereira, do Sesi/SP, também nadou a prova e ficou com o segundo tempo (54s54).

As provas do estilo peito masculino desde as competições válidas para selecionar o time que foi aos Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008, são eletrizantes no país. Nestas últimas disputas de 2014, nos 50m peito, o nadador do Pinheiros João Gomes Júnior fez um ótimo tempo no Campeonato Brasileiro Sênior, pela manhã (26s89), e já colocou seu nome na lista do Mundial da Rússia, pois o índice era 27s10. Felipe França, do Corinthians, chegado do Mundial em 25 metros com cinco medalhas de ouro, ficou com a vitória no Open, à tarde (27s04), marca que também supera o índice para Kazan. Entre as nadadoras, Jhennifer da Conceição, do Flamengo, venceu com 31s86, seguida de Ana Carvalho, do Pinheiros (32s08) e Beatriz Travalon, do Pinheiros (32s11).

Nas provas longas, outro recorde de campeonato. Minguel Valente, do Minas Tênis marcou 15m16s69 nos 1500m livre deixando para trás a marca que Luiz Rogério Arapiraca fez em 2009, 15m19s38. No segundo posto ficou Lucas Kanieski, do Minas Tênis, com 15m22s84, e em terceiro lugar o ex-recordista, Luiz Rogério Arapiraca (15m33s12). Bruna Primati (8m44s30), do Sesi/SP, venceu os 800m livre com a prata e o bronze indo para Viviane Jungblut (8m47s03), do Grêmio Náutico União, e Carolina Bilich (8m54s69), do Minas Tênis.

O revezamento 4x100m livre feminino deu o quinto e último recorde da estreia. A equipe do Sesi/SP, com Etiene Medeiros, Priscila de Souza, Daynara de Paula e Jessica Cavalheiro marcou 3m43s51 contra o tempo 3m46s18, também do Sesi, em 2013.

O Minas Tênis lidera as duas competições realizadas simultaneamente na piscina do Botafogo. No campeonato da manhã, o Brasileiro Senior/Troféu Daltely Guimarães, o clube mineiro totaliza 107 pontos, seguido pelo Pinheiros, 104 pontos, e o Sesi, 65. Já na competição da tarde, o Torneio Open, o Minas Tênis está com 113,50 pontos. Logo a seguir aparecem o Sesi, 87, e o Pinheiros, 78 pontos.

Cesar Cielo conquista bicampeonato mundial nos 100m livre em Doha 

Depois de ficar com o bronze nos 50m livre na sexta-feira, César Cielo conseguiu a redenção e conquistou a medalha de ouro nos 100m livre no Mundial em piscina curta de Doha, no Catar, com tempo de 45s75, e se tornou bicampeão mundial na categoria. O francês Florent Manaudou ficou com a prata (45.81) e o russo Danila Izotov com o bronze (46.09), enquanto o brasileiro João de Lucca terminou a prova em sétimo lugar. Questionado sobre a conquista o faz esquecer da derrota de sexta, Cielo falou da importância de aprender com os erros. “Olha, esquecer não, tem que aprender. Esporte é assim mesmo, um dia você ganha e no outro perde. O mais importante é fazer o seu melhor o tempo todo. Toda vez que você bater a mão na borda, saber que o seu melhor ficou na piscina. Fiquei decepcionado de saber que não fiz o que podia ter feito [na sexta]. Por algum motivo, pelo treinamento que a gente faz, [fazer esse tempo] tá muito fácil”, disse o nadador. Até o último segundo, a disputa com Manaudou foi acirradíssima, mas Cielo levou a melhor.  “No final foi briga de cachorro, mas acho que eu queria mais. Queria um pouco mais que ele”, comentou. O nadador ficou a 0s1 de quebrar seu próprio recorde sul-americano (45s74). O recorde mundial pertence ao francês Amaury Leveaux (44s94), conquistado em Rijeka em 2008. Cielo ainda pode subir ao lugar mais algo do pódio mais de uma vez neste domingo, já que disputa a decisão do 4x100m medley masculino ao lado de Marcos Macedo (borboleta), Guilherme Guido (costas) e Felipe França (peito). 

SONOTICIA

Cielo leva 'susto' ao saber de vitória brasileira durante entrevista

Nadador era entrevistado após prova de revezamento e pareceu não acreditar que Brasil era líder do quadro de medalhas - e não poderia ser alcançado


A conquista do Mundial de natação de Doha pegou até mesmo nadador de surpresa. O Brasil  liderou o quadro de medalhas, pela primeira vez na história do mundial de piscina curta, e já não poderia ser alcançado antes da última prova. Neste período, Cesar Cielo concedia entrevista e soube do fato inédito quando foi perguntado pelo repórter da organização.
“Se alguém te falasse antes do Mundial que o Brasil seria o campeão, você acreditaria?”, perguntou o repórter, provocando a reação inesperada de Cielo. “Nós ganhamos? Primeiro lugar? Eu não sabia disso...uau”, respondeu o nadador, depois de tentar conferir o placar e perguntar mais de uma vez se o jornalista tinha certeza.
“Espero que este seja o nosso primeiro passo para as Olimpíadas”, completou o nadador brasileiro, seguindo o raciocínio de sua resposta anterior, em que falava dos objetivos do time verde e amarelo para as Olimpíadas do Rio, em 2016.
“Essa nova geração é maravilhosa, estamos muito empolgados para ver o que podemos fazer nas Olimpíadas em casa”, havia dito.
Neste Mundial, o País conquistou 10 medalhas, sendo 7 de ouro, uma de prata e duas de bronze. Cesar Cielo, Felipe França e Etiene Medeiros foram os grandes destaques da vitória brasileira.
-

Título do Brasil no Mundial de Doha empolga Cesar Cielo: 'Escrevemos nova página'

País terminou à frente no quadro de medalhas com 7 ouros, 1 prata e 2 bronzes

Sete medalhas de ouro, uma de prata e duas de bronze deram ao Brasil o título inédito do Campeonato Mundial de piscina curta, disputado de quarta-feira a domingo em Doha, no Catar. Um feito que deixou orgulhoso o campeão olímpico Cesar Cielo.

- A natação brasileira escreveu uma nova página. Esse Mundial é histórico e já se tornou um dos mais importantes para o esporte do país como um todo. Pela primeira vez vi a equipe com desejo real de vencer, coma atitude de campeã - disse Cielo, que se despediu de Doha com três ouros e dois bronzes.

O destaque absoluto do país - e do próprio Mundial - foi Felipe França, que conquistou nada menos do que cinco medalhas de ouro.

- Saio 100 por cento contente com o meu desempenho, todas as minhas metas foram atingidas e agora já vamos voltar pensando no Mundial em Piscina longa do ano que vem (em Kazan, na Rùssia). A natação está em um ótimo momento no Brasil e eu também estou - afirmou Felipe.

Outro nome que deve ser lembrado é o de Etiene Medeiros. Ela se tornou em Doha a primeira nadadora a conquistar uma medalha em Campeonatos Mundiais. E logo de ouro e com direito a recorde mundial, nos 50m costas, quando deixou para trás, inclusive, a húngara Katinka Hosszu, um dos fenômenos da atualidade.

- Pensei em todas as vezes que caí na água aqui em tudo o que treinei. Vejo a estrutura da natação brasileira para o feminino completamente diferente e muito boa. Mudanças não se fazem em um ou dois anos. Isso é fruto de um processo do qual um monte de gente fez parte - comentou Etiene, de 23 anos.

A evolução do Brasil de um Mundial de piscina curta para outro foi absurda. Em Istambul 2012, o país terminou com apenas duas medalhas (um ouro e um bronze), além de quatro recordes sul-americanos. Em Doha, além das dez medalhas, foram dois recordes mundiais, dois recordes de campeonato e 22 recordes sul-americanos.

Medalhas do Brasil em Doha

Ouro

4×50 medley - Guilherme Guido, Felipe França, Nicholas Santos e Cesar Cielo
100m peito masculino - Felipe França
50m costas feminino - 1º Etiene Medeiros
4x50m medley misto - Etiene Medeiros, Felipe França, Nicholas Santos e Larissa Oliveira
100m livre masculino - Cesar Cielo
50m peito masculino - 1º Felipe França
4x100m medley masculino - Guilherme Guido, Felipe França Silva, Marcos Macedo e Cesar Cielo

Prata

50m borboleta - Nicholas Santos

Bronze

50m livre Cesar Cielo
4x50m livre misto - Cesar Cielo, João de Lucca, Etiene Medeiros e Larissa Oliveira




-


Natação: Cesar Cielo minimiza peso de título do Brasil no Mundial, em Doha

Nesta segunda-feira, no desembarque da delegação em São Paulo, o nadador falou que não se deve dar a tamanha importância à competição


São Paulo, SP, 08 - Se o título geral do Brasil no Mundial de Piscina Curta de Doha (Catar) foi bastante comemorado pela comunidade aquática, como um grande feito para a modalidade, Cesar Cielo tratou de colocar os pingos nos 'is'. Nesta segunda-feira, no desembarque da delegação em São Paulo, o nadador tratou de minimizar o peso da conquista.
"Acho que a gente não tem que tentar fazer um Mundial de Curta mais do que é. São resultados obtidos em um campeonato isolado. É como se fosse o Mundial Indoor de Atletismo. Não dá para dizer que vamos ao Mundial de Kazan para sermos os melhores do Mundial", disse ele, citando o Mundial de Esportes Aquáticos, disputado em piscinas de 50 metros, que vai acontecer na Rússia no ano que vem.
O nadador, que volta de Doha com cinco medalhas (três de ouro), porém, reconhece que a natação brasileira está em um novo patamar. "Subimos alguns degraus no Mundial de Curta. Para um país que ainda não tinha conseguido ser campeão do Mundial de Curta, agora nós conseguimos. É um passo de cada vez."
Com 10 medalhas, sendo sete de ouro, o Brasil liderou o quadro de medalhas do Mundial encerrado no domingo. De longe a maior potência da modalidades, os Estados Unidos ficaram apenas no nono lugar, desfalcados de praticamente todos seus nadadores de primeiro nível. Também França (sétimo lugar), Austrália (11.º) e China (19.º), os outros países que vêm acumulando mais medalhas em eventos de grande porte, ficaram muito longe de brilhar.
Três das medalhas de ouro e mais um bronze vieram de revezamentos, sendo que em três deles estava Cielo, um nadador que se acostumou a focar nas provas individuais em detrimento às coletivas. Para o atleta do Minas Tênis Clube, o Mundial de Doha deixa como legado para os brasileiros um novo conceito.
"Vimos uma energia diferente (da equipe brasileira). Antes cada um cuidava do seu. Desta vez tinha mais gente querendo participar do revezamento. As pessoas priorizavam as disputas individuais Indiretamente, vamos ver alguns resultados de (piscina) longa aparecendo", apontou.
Cielo vinha sendo bastante cobrado para estar presente nos revezamentos. Afinal, com Matheus Santana, Bruno Fratus, Marcelo Chierighini, João de Lucca e Nicolas Nilo Oliveira, o Brasil tem chances reais de título em Kazan e no Rio/2016 no 4x100m livre. A presença de Cielo pode ser a diferença de um quarto lugar para um título.
Afinal, ele é o atual campeão mundial de piscina curta nos 100m livre. Se falhou nos 50m, ficando com o bronze, deu o troco no francês Florent Manaudou para ganhar o ouro na prova mais longa. O brasileiro, entretanto, nega que exista rivalidade ou qualquer outro tipo de relacionamento com o campeão olímpico dos 50m livre em Londres.
"Não conheço pessoalmente, parece ser um grande competidor, mas ele não traz nada de (rivalidade de) fora da piscina. É um grande competidor e que tem boa educação. É mais um talento que a natação francesa forma. Há um tempos eu venho me virando para competir com eles (Frederick Busquet e Alain Bernard), mas a França continua produzindo grandes nadadores. Daqui a pouco vou ter de jogar o Matheus Santana na piscina e o Bruno Fratus para eles me ajudarem", brincou Cielo.
Fratus e Matheus serão rivais de Cielo no Open, que vai acontecer na piscina do Botafogo, na semana que vem. Enquanto seus adversários abdicaram do Mundial de Piscina Curta para pensar no evento nacional, em piscina de 50m, que já vale como seletiva para o Pan e para o Mundial, Cielo avisa que só vai competir para ajudar o seu clube, o Minas. "Ainda não estou de férias, mas será uma competição mais importante para o clube do que para mim mesmo."


-

Cesar Cielo desembarca no Brasil após três medalhas em mundial

Em doze edições da competição, foi a primeira vez que o Brasil terminou na liderança do quadro de medalhas.


Um dos astros da delegação campeã do Mundial de Natação em Piscina Curta desembarcou, nesta segunda-feira (8), em São Paulo. Cesar Cielo conquistou cinco medalhas para o Brasil - três de ouro e duas de bronze.
Em doze edições da competição, foi a primeira vez que o Brasil terminou na liderança do quadro de medalhas: foram sete medalhas de ouro, uma de prata e duas de bronze.

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Descubra quem o campeão Cesar Cielo considera seu principal rival nas piscinas

O medalhista olímpico e mundial conversou com o R7 no Troféu José Finkel

A cidade de Guaratinguetá, no interior de São Paulo, recebeu os principais nadadores do Brasil para a disputa do Troféu José Finkel de Natação. A reportagem do R7 esteve presente no evento e conversou com o campeão olímpico e mundial Cesar Cielo.
O atleta do Minas Tênis Clube é a principal referência dentro das piscinas brasileiras e uma das esperanças do país para conquistar medalhas nas Olimpíadas do Rio, que acontece em 2016.
O nadador falou sobre a sua preparação para os Jogos e também sobre a importância da sua mudança de São Paulo para Belo Horizonte, em Minas Gerais.
Cesão, como é chamado pelos companheiros de equipe, ainda confidenciou quem é seu principal rival dentro das piscinas no Brasil. De quebra, o multicampeão ainda entrou na brincadeira e falou o que faria da vida caso não fosse nadador.

Cesar Cielo conquista ouro no Troféu José Finkel e carimba vaga nos 100m livre em Doha

O nadador já havia assegurado vaga para o Mundial de Piscina Curta nos 50 metros


Depois de se garantir nos 50 metros tanto no nado livre quanto no borboleta, Cesar Cielo conseguiu, neste sábado, também classificação para nadar os 100 metros livre no Mundial de Piscina Curta de Doha (Catar), em dezembro. O atleta do Minas Tênis Clube venceu o Troféu José Finkel, em Guaratinguetá, com o tempo de 46s08, melhor do mundo neste comecinho de temporada em piscina de 25 metros.

Cielo, porém, não conseguiu atingir a meta de nadar os 100 metros na casa dos 45 segundos e se aproximar do recorde sul-americano, dele mesmo, em 45s74. O campeão mundial voltou a culpar a falta de uma tábua para virada na piscina da cidade do interior paulista.

Com Matheus Santana, recordista mundial júnior em piscina longa, nadando a final B, a prata no Finkel ficou com o surpreendente Henrique Martins, com 47s33. O atleta do Minas igualou o tempo que João de Lucca fez pela manhã, nas eliminatórias. Pelos critérios da CBDA, porém, será João, que faturou bronze pelo Pinheiros, o segundo brasileiros nos 100m em Doha. Henrique, assim como Nicolas Nilo Oliveira, vai ao Mundial para nadar o revezamento.

Outra prova forte no último dia do Campeonato Brasileiro de Inverno foi os 50 metros peito masculino. Felipe França venceu com 25s71 e ficou a um centésimo de bater o recorde sul-americano, que ele sustenta desde 2009, quando ainda era permitido o uso de trajes tecnológicos. Ele lidera o ranking mundial.

Além de Felipe França, do Corinthians, também vai a Doha nos 50m peito João Gomes Júnior, do Pinheiros, que faturou a prata com 26s54. Felipe Lima, outro atleta do Pinheiros, também fez índice mas ficará como reserva. Medalhista no Mundial de Barcelona, ele vai ao Catar para nadar os 100m peito.

OUTRAS PROVAS - Surpresa deste José Finkel, Larissa Oliveira, que já havia obtido vaga em Doha nos 50m livre, bateu o recorde sul-americano dos 100m livre neste sábado, baixando em 31 centésimos a marca que era de Tatiana Lemos desde 2009. Atleta do Pinheiros, ela foi prata na final com 52s88, ficando atrás da holandesa Frederike Heemske, contratada pelo Minas. Daynara de Paula, Alessandra Marchioro e Graciele Hermann fecham a equipe do revezamento 4x100m livre.

Nos 200m costas, vitória de Leonardo de Deus, com 1min53s36, e sem índice para o Mundial. Entre as mulheres, a mais rápida foi a argentina Andrea Berrino, da Unisanta. Natália de Luccas, que completou em segundo, ganhou o título brasileiro pelo Corinthians. Já nos 50m peito, a holandesa Moniek Nijhus bateu na frente. Ana Carla Carvalho, do Pinheiros, foi a melhor brasileira.

domingo, 6 de julho de 2014


O ano de 2014 não tem a realização do Campeonato Mundial em piscina longa, que volta em 2015. Portanto, essa temporada é considerada, em partes, "morta", pois não tem nenhum grande evento. Os principais atletas se dividem entre o, de uma certa forma, esvaziado Mundial em piscina curta, e o Pan-Pacífico, que não reúne atletas europeus, mas é disputado em piscina de 50m.

No fim de semana, Cesar Cielo ficou com o bronze nos 50m livre no Aberto da França, disputado em piscina longa. Número 1 do ranking mundial de 2014, ele vai focar agora no Mundial de piscina curta. Foi uma derrota triste, já que ele nem conseguiu baixar dos 22s (no Maria Lenk nadou 21s39). É bom lembrar que o tempo de Manadou, campeão da prova, nem chegou perto de sua marca feita em maio - 21s71.

Por outro lado, Thiago Pereira está focado em piscina longa, no Pan-Pacífico, competição que reunirá os melhores americanos, australianos, canadenses e japoneses. Na França, ele venceu os 200m medley, com um tempo alto, é verdade, 1min59s, mas saiu com a medalha de ouro.

Os dois são, desde 2007, os principais nadadores do país, que vive uma esperança de uma ótima geração vindo e também da explosão de atletas que há tempos fazem parte da seleção e que hoje já brigam entre os melhores do mundo.

Na volta às piscinas, Cielo é ouro nos 50m borboleta do Aberto da França

Bicampeão mundial comemora: "Dois ouros para o Brasil. Agora é torcer pela seleção contra a Colômbia". Nicholas Santos e Thiago Pereira conquistam a prata no 1º dia


Sem competir desde o Troféu Maria Lenk, em abril deste ano, Cesar Cielo provou mais uma vez por que está no topo do mundo nos 50m borboleta. Após se classificar com o melhor tempo (23s71) nas eliminatórias do Aberto da França, o bicampeão mundial da prova foi ainda mais veloz na final, conquistando o ouro com a marca de 23s52. O compatriota Nicholas Santos (23s74) levou a prata e o venezuelano Albert Subirats (23s84) completou o pódio, nesta sexta-feira, na cidade de Vichy Val D'Allier, província história na região central da França. Outro brasileiro na disputa, Thiago Pereira(24s54) ficou em oitavo lugar. 
Campeão olímpico nos 50m borboleta dos Jogos de Londres, em 2012, o francês Florence Manaudou havia se classificado com o segundo melhor tempo (23s93) para a decisão, mas desistiu de brigar por uma medalha. Além de Cesar e Nicholas, João Gomes Jr. e Raphael Rodrigues também fizeram dobradinha no pódio, com um ouro e uma prata, respectivamente, nos 50m peito. 
- Dois ouros paro Brasil no primeiro dia do Aberto da França. Agora é torcer pela seleção brasileira contra a Colômbia (na Copa do Mundo, às 17h) - comemorou Cielo pelo Facebook. 
Líder do ranking mundial dos 50m livre, prova na qual é tricampeão mundial, o brasileiro voltará à piscina neste sábado para a disputa mais rápida da natação diante de Manaudou e do australiano James Magnussen, campeão mundial nos 100m livre no ano passado, em Barcelona, na Espanha. Após um período intenso de treinos no Minas Tênis Clube, em Belo Horizinte, Cielo usa o Aberto da França para recuperar o ritmo de competição e espera diminuir o tempo em sua especialidade.
- Acho que um 21s50 seria uma boa marca - acrescentou o nadador.
Thiago Pereira é prata nos 400m medley
Apesar de ter ficado em último lugar na final dos 50m borboleta, Thiago Pereira conquistou a prata nos 400m medley, com o tempo de 4m19s44. O húngaro David Verraszto (4m14s38) sagrou-se campeão e o compatriota Laszlo Cseh (4m20s36) levou o bronze. 
Medalhista olímpico em Londres 2012, o atleta de Volta Redonda (RJ) encara uma maratona em Vichy Val D'Allier. A disputa servirá como preparação para o Pan-Pacífico, no mês que vem, na Austrália. Dono de 18 medalhas nos Jogos Pan-Americanos, sendo 12 de ouro, Thiago também está inscrito nos 200m e 400m livre, 100m borboleta e 200m medley, prova na qual ele busca o bicampeonato. 

Dobradinha brasileira
O Brasil dominou o pódio dos 50m peito. Depois de ser único a quebrar a barreira dos 28 segundos e liderar as eliminatórias com a terceira melhor marca do ano (27s06), João Gomes Jr. confirmou o favoritismo na decisão, terminando em primeiro lugar, com 27s10. O brasileiro Raphaël Rodrigues (27s79) ficou em segundo, seguido pelo francês Giacomo Perez Dortona (27.82). 
Em 17º na classificatória da prova, Tales Cerdeira (29s97) não avançou à final. Em compensação, ele avançou nos 200m peito, mas não garantiu um lugar no pódio, ficando em sétimo lugar, com 2m17s90. O húngaro David Verraszto (2m13s21) foi o mais rápido da disputa. Os franceses Quentin Coton (2m14s08) e William Debourges (2m15s47) terminaram em segundo e terceiro lugares, respectivamente, para a alegria da torcida local.  
Promessa na natação brasileira, Luiz Pereira faturou o bronze nos 200m borboleta ao cravar a marca de 2m03s59. Dono de três medalhas de prata e duas de bronze nas Olimpíadas, o húngaro Laszlo Cseh (1m59s39) foi ouro e o francês Jordan Coelho (1m59s67) conquistou a prata. 
Entre as mulheres, Graciele Hermann ficou com a quarta colocação nos 50m livre (25s16), atrás da holandesa Ranomi Kromowidjojo (24s53), da alemã Dorothea Brandt (24s84) e da francesa Anna Santamans (25s02). Nas finais B dos 100m livre, Marcelo Chierighini (50s14) e Nicolas Oliveira (50s17) terminaram em terceiro e sexto lugares, respectivamente. O italiano Luca Dotto (49s88) foi o primeiro, seguido pelo australiano Mathew Abood (49s83) e pelo francês Fabien Gilot (49s77).