sexta-feira, 16 de outubro de 2009

CESÃO DE SAIA ATACA OUTRA VEZ

Dessa vez numa entrevista ao Daniel Takata do Raia Quatro News.

Gabi é a ÍDOLA da natação brasileira atual, por isso vou colar os trechos em que eles falaram do Cesão!


Entrevista: Gabriella Silva

Alguns dias depois o Cesão ganhou os 50m livre. Como aquela medalha de ouro te influenciou no sentido de pensar "da próxima vez eu quero estar lá"?
Acho que influenciou todos os brasileiros. Todo mundo viu que um brasileiro pode ser o melhor do mundo. Não tem mais essa coisa de "a gente pode ganhar uma medalha", sabe? Brasileiro tem essa coisa de achar que é inferior aos outros! Eu acho que o Cesão veio para mostrar que o brasileiro pode ser o melhor. E com certeza ele inspirou muita gente. A gente treinou com o Cesão lá no Pinheiros, e ele não é um bicho de sete cabeças, não treina mais do que a gente, ele não faz... entendeu? Ele é um ser humano como todo mundo, não é um ser intocável, tem os defeitos e as qualidades dele, é uma pessoa normal, um amigo da gente... Então ver uma pessoa tão próxima ali naquele pódio com certeza foi muito emocionante. Eu não conseguia parar de chorar quando vi ele ali no pódio, quando começou a tocar o hino do Brasil... no Mundial acho que foi mais emocionante ainda, porque eles colocaram a primeira parte inteira. Com certeza ele é uma inspiração para muita gente, e foi para mim. Antes disso eu já pensava em ganhar, mas acho que ele fez com que eu acreditasse ainda mais que é possível. Ele fez com que parecesse que é mais plausível, que é mais próximo do que a gente imagina. Acho que ele sempre vai ser uma inspiração pra muita gente para as próximas não sei quantas gerações. Ele influenciou o Felipe França, ele sempre fala isso, fez com que ele acreditasse que pudesse bater o recorde mundial. Posso dizer que ele influenciou todo mundo, acho que todos os brasileiros se inspiram no Cesão.

Vendo a sua prova, muita gente se lembrou do que aconteceu com o Cesão em 2007. Ele nadou na mesma raia um que você, passou em primeiro, estava entre os primeiros até os metros finais e na chegada ficou em 4º por quatro centésimos.
É verdade. Ficavam me chamando de Cavic toda hora, por causa das Olimpíadas lá do Phelps e depois ficavam falando do negócio do Cesão também. Bom, se eu depois tiver o futuro como o do Cesão eu não vou me importar muito com essa chegada não (risos). [Se isso acontecer, a gente vai estar lá pra te aplaudir, Gabi!]

Depois da Olimpíada de 2008, muito devido ao ouro do Cesão, a natação atingiu um grau de popularidade no Brasil como nunca havia se visto. O sucesso chegou pra você? Você é reconhecida nas ruas?
Muito difícil. Aconteceu duas... três vezes, de virem falar comigo. Muito difícil. Às vezes alguma amiga minha vem me apresentar e dizer que fui para as Olimpiadas, e aí tem gente que fala "ah, você que é essa, nossa mas é muito diferente"... Natação é ruim para ser reconhecida. Quando o Cesão foi para o pódio ele estava sem touca e óculos. A gente de touca é óculos é totalmente diferente. Ainda mais mulher. Uma vez eu fui dar uma entrevista, o jornalista até falou "nossa, você tem cabelo! Não sabia se você era loira, morena, ruiva, cabelo curto, comprido!" As pessoas que me reconheceram são pessoas que acompanham muito de perto a natação. E apesar do Cesão, a natação não é um esporte popular no Brasil. Então se você perguntar por aí sobre o Felipe França, que foi medalhista no Mundial, tem muita gente que não conhece. Ele anda na rua e tem muita gente que não reconhece. Infelizmente é uma realidade do brasileiro. O pessoal sabe até quem está no banco do Flamengo... [Por isso que ela assustou quando eu falei com ela num teatro em outubro de 2008! hehe]

Desde 1980 o Brasil conquistou medalhas em praticamente todas as Olimpíadas na natação, mas sempre no masculino. Em 2004 vimos uma evolução da natação feminina, com finais de Joanna, Flávia, revezamento 4x200m. Na última Olimpíada, você pegou final, e no último Mundial, você, a Daynara, a Fabíola e o revezamento medley. Sabe-se que uma geração puxa outra, o Ricardo Prado era ídolo do Gustavo Borges, o Gustavo Borges é o ídolo do César Cielo, e assim vai. Como você avalia que seus resultados podem fazer com que a natação brasileira feminina evolua?
Eu vou falar da minha mentalidade de quando eu era criança. Eu pensava: "se um dia eu fizer 59, vai ser muito bom". Eu não achava que um dia iria nadar mais rápido do que 59. Isso quando eu tinha uns 6, 7 anos. Porque eu não tinha uma nadadora que tivesse... tinha a Maria Lenk, que estava muito longe de mim, mas não tinha uma nadadora perto que estivesse tendo resultados em Mundiais e tudo. E aí teve a Flávia e a Joanna, e a gente viu que era possível pegar uma final em uma Olimpíada. Então eu acho que as gerações posteriores à minha vão chegando com uma outra mentalidade, porque elas não vão querer fazer o que já foi feito. A gente nunca quer fazer o que já fizeram. Sempre quer fazer melhor! Bom, infelizmente os meninos que vierem depois do Cesão têm um desafio de fazer melhor do que ele, melhor do que ele não dá né? (risos) Campeão e recordista mundial! Eu quero ganhar uma medalha no Mundial! Já tem gente que foi pra final olímpica, então eu quero uma medalha olímpica! E aí eu quero uma medalha no Mundial! A gente vai colocando objetivos. E a garotada que está olhando agora vai vendo como isso é possível, como isso vai virando uma realidade no Base, então para eles eu acho que já não vai ser mais um bicho de sete cabeças do que foi pra gente. E que agora acho que não é mais para muita gente, pelo menos não é mais pra mim. Foi o que eu falei para muita gente, eu não fui pro Mundial nem pensando "ah, vou para a final", não, a final para mim já era uma realidade, e no Mundial o que eu queria era a medalha. Então eu acho que as próximas meninas vão chegar desse jeito. Elas não vão chegar "ah meu primeiro mundial, vou pra participar", entendeu? Não vai ter isso, acho que elas vão para o primeiro Mundial pra medalha! Então eu acho que está mudando a mentalidade do pessoal de dentro da natação, o pessoal que convive, deles terem referências, e eles quererem ser melhor do que as referências.

FONTE: Raia Quatro News

--> Essa menina é mesmo A CARA!!!! Sensacional... Recomendo que todos leiam a entrevista completa. É emocionante e nos enche confiança nessa estrela do nosso esporte! "VAI, GABI!!!!!!" hehe

Beijocas Celestes!!

P.S.: Amanhã vem o post 1000!!!!!!! \\o////

3 comentários:

Mari Pedroza disse...

Acho a Gabriella simplesmente incrível! Aliás, essa nova geração da natação feminina é muito boa... todas tem muit talento! Claro, sem menosprezar as mais veteranas, como a Fabíola (outra gigante do nosso esporte brasileiro).

Li o resto da entrevista e adorei! Muito direta e divertida!

^^

Erica Ferro disse...

Ah, gostei desse trechinho da entrevista! :D
Muito boa!
Tenho que concordar com ela, temos que treinar e chegar na competição com muita vontade e muita determinação, nada de 'mais ou menos', temos que querer o máximo, o melhor. ;)
Boa, Gabi. Booooooora!

Beijo.

P.s: Depois verei a entrevista completa.

Mariana Cantarim disse...

Chorei com a entrevista....pela manhã!!! Deu uma dó da Gabi com todos os problemas que ele teve que enfrentar no ombro,na coluna, enfim... Mas chego a conclusão que Gabi é muito mais forte que isso!!! E temos que torcer e apoiar... além de tentar mudar essa realidade de não dar as nossas estrelas do esporte o devido reconhecimento...

"Sou muito competitiva!
Independente do que treinei,
do que comi, se estou com dor...
Cara, se estou na competição, estou
lá sempre pensando em ganhar!

Quando li esse trechinho... só pensei em uma coisa...
Cesão de saia, salto alto e maquiagem!!!!!! Adoooro!!!