segunda-feira, 8 de setembro de 2008

mais novis ;P

Jornal Carreira & Sucesso

CÉSAR CIELO: UM MENINO DE OURO

Por: Viviane Macedo

Carregar no pescoço, aos 21 anos, duas medalhas olímpicas - uma de bronze e outra de ouro - não é para qualquer um. Mas César Cielo sabe bem o que é sentir o gostinho da vitória. Com muita garra, determinação e vontade, ele chegou ao lugar mais desejado por qualquer atleta: o topo do pódio olímpico. E fez o mundo inteiro ouvir, pela primeira vez nas Olimpíadas de Pequim, o Hino Nacional. Cielo começou sua trajetória vencedora na China conquistando a medalha de bronze nos 100m livre. Não satisfeito, foi atrás de mais. Então, num tempo recorde de 21s30, "Césão" - como é chamado pela família e pelos amigos – tornou-se campeão olímpico dos 50m livre. De quebra, transformou-se em herói da natação brasileira. E como um verdadeiro herói, entre autógrafos e fotos para fãs de todas as idades, César Cielo conversou com o Jornal Carreira & Sucesso durante uma competição de natação, em São Paulo, e falou sobre diversos assuntos: sua preparação, a trajetória vitoriosa, a importância da conquista olímpica em sua vida e os planos para o futuro, depois de consagrado com a medalha de ouro em Pequim. Acompanhe! Jornal Carreira & Sucesso: Quando você começou a nadar, em Santa Bárbara D'Oeste, ainda criança, imaginava que chegaria tão longe em sua carreira esportiva?
César Cielo: Não, de jeito nenhum. Eu fui dando um passo de cada vez mesmo, dando a importância a cada competição. Teve um momento em que eu comemorei muito ter ganhado o Brasileiro da categoria, teve o momento em que eu comemorei ter ganhado o Campeonato Paulista... Então, foi por etapas, até o objetivo final: os Jogos Olímpicos.

Jornal Carreira & Sucesso: Boa parte de sua preparação para as Olimpíadas aconteceu nos Estados Unidos. Por que você saiu do Brasil?
Cielo: Eu fui para lá em outubro de 2005. Foi uma forma de tentar conciliar a faculdade com a natação. Aqui é muito difícil estudar e nadar em alto nível. Então, a idéia partiu mais da minha mãe, para eu continuar os estudos e seguir na natação. Aí surgiu uma proposta, em 2004, quando eu fui para o Mundial em Indianápolis [EUA] e a gente começou conversar desde lá. A idéia se concretizou no final de 2005.
Jornal Carreira & Sucesso: Sua família parece ser muito unida. Como foi para você passar tanto tempo longe de casa e de seus parentes e amigos?
Cielo: Foi duro, sem dúvidas. Uma das maiores razões para eu querer voltar o tempo todo... Toda hora eu falava: "eu quero voltar, não quero mais ficar aqui"... Foi um momento muito difícil, e se eu cheguei onde cheguei, é porque acreditei. Mas não foi fácil.
Jornal Carreira & Sucesso: Além da distância da família, você e seu treinador, o ex-nadador australiano Brett Hawk, trabalharam sob um regime muito rígido de concentração (que incluía proibição a namorar e participar de festas). Como foi para você, um jovem de 21 anos, passar por privações tão severas?
Cielo: Foram longos quatro meses. Não tinha domingo, não tinha segunda, não tinha quinta. Tinha dia de treinar, dia de melhorar, dia de seguir uma dieta saudável. Foi bem longo, as quatro semanas de cada mês eram semanas inteiras, de segunda a segunda treinando. Ia dormir às 22h, no máximo às 23h. Então, para um cara de 21 anos fazer isso por quatro meses foi duro! Jornal Carreira & Sucesso: E você esperava ganhar o ouro?
Cielo: Em momento nenhum eu treinei pensando que fosse perder. Eu posso até perder, mas eu não entro na competição pensando em perder. Eu sabia o que eu precisava fazer para ganhar, não sabia se seria suficiente ou não, mas eu tinha o resultado na cabeça. E isso foi se concretizar mais depois da medalha de bronze mesmo. A medalha de bronze estava bem difícil, porque eu não sou um cara que nada bem durante a temporada de treinamento, eu vou nadar bem só lá na frente. Nadei muito mal durante a temporada, perdi para muita gente. E depois que o bronze chegou, comecei acreditar mais na vitória. Mas sempre confiei e acreditei que podia ganhar, sim.
Jornal Carreira & Sucesso: Você esperava ganhar tamanha notoriedade após esse grande feito que você conquistou? Como está sendo para você esta "vida de celebridade"?
Cielo: Ah, mudou muita coisa. Mudou a minha vida, da minha família... Agora é complicado: eu sei que a responsabilidade mudou bastante, eu sei que agora a molecadinha, principalmente, vai me ver como eu via os meus ídolos quando eu era moleque. Eu estou tomando cuidado e fazendo o máximo para deixar uma imagem bacana da natação.
Jornal Carreira & Sucesso: Sua história é sinônimo de dedicação, superação e sucesso. Quais dicas você daria para quem, como você, quer vencer na vida (independente da profissão)?
Cielo: Eu acho que sem trabalho duro, sem dedicação e determinação, não se chega a lugar nenhum. Eu cheguei ao sucesso, realmente, acreditando no que eu estava fazendo e me comprometendo com meu trabalho. E eu acho que isso vale não só para a natação, mas para tudo que a gente faz.
Jornal Carreira & Sucesso: Além de Brett Hawk, que foi seu treinador num momento tão decisivo, Gustavo Borges também teve uma participação muito forte em sua vida de atleta. O que você aprendeu com esses dois nadadores?
Cielo: Realmente, a coisa da dedicação. O Gustavo, nem quando estava para parar de nadar, chegou um dia atrasado, não chegava cinco minutos atrasado, não deixava de fazer os 50m. Então, aprendi com ele essa coisa da dedicação, de trabalhar duro mesmo. E lá [nos EUA] eu acho que ganhei um pouco mais de independência, em relação à minha personalidade. Eu acho que não era tão independente como sou hoje. Aprendi a ter mais agressividade com relação à competição, encarar os adversários... E essa confiança e agressividade vieram do meu técnico. Jornal Carreira & Sucesso: Você se tornou um herói do esporte nacional: é o primeiro nadador brasileiro a ganhar uma medalha de ouro olímpica na historia. Você acredita que a partir de agora será ainda mais cobrado e pressionado por resultados? Considera-se preparado para isso?
Cielo: Eu estou fazendo o melhor que eu posso o tempo todo, estou tentando atender o máximo de pessoas que eu posso, sempre. Eu sei que pode ter gente que não está gostando de eu estar nadando bem, de eu estar onde eu estou hoje, mas eu estou tentando fazer de tudo para agradar o máximo de pessoas, para deixar a melhor imagem possível de nadadores dessa geração nova. E tentar mostrar que o que falta para o brasileiro é disciplina. Falta um pouco de comprometimento com o que faz e dar valor ao que está fazendo.
Jornal Carreira & Sucesso: Quais são seus planos para o futuro?
Cielo: A curto prazo é descansar mesmo. Estou querendo ficar longe das competições para descansar a cabeça, acho que o corpo está descansado, mas a cabeça demora um pouquinho. As Olimpíadas são um estresse bem grande, então é descansar e voltar a treinar para Campeonato Brasileiro, que vai acontecer em Florianópolis no final do ano. Mas treinar mesmo só para o Mundial do ano que vem.
Jornal Carreira & Sucesso: Já está pensando em Londres 2012?
Cielo: Ainda não, muito cedo ainda. Acho que do mesmo jeito que em 2004 eu nem classifiquei, pode alguém não ter classificado em 2008 e chegar em 2012 para ganhar a prova. Então, tem de acompanhar a evolução de todo mundo e continuar evoluindo para continuar no topo.

Obrigada a Viviane que me mandou por e-mail..! ;)

-

Celebridade após o ouro, Cielo se diverte entre gafes e agenda lotada

Desde que retornou dos Jogos Olímpicos com a medalha de ouro, César Cielo passou de atleta a celebridade. Do primeiro desfile em carro aberto aos desfiles de moda e programas de TV, o nadador ainda concilia os compromissos longe da piscina e se diverte com as gafes de fãs e da imprensa, antes de retomar a rotina de treinos longe dos holofotes.
Até garoto-propaganda de uma campanha de vacinação Cielo virou. "Eu odeio tomar injeção, mas tive que aparecer sorrindo na foto, senão ninguém vacina mesmo!", brincou o nadador.Durante o Troféu José Finkel, no Corinthians, o nadador foi abordado pela equipe de TV do clube, que pediu uma mensagem ao técnico Mano Menezes. "Mano? Você quer uma mensagem pro Mano?", repetia Cielo, sem ligar o nome ao treinador corintiano. Mesmo com a insistência, Cielo ainda tentou despistar. "Eu não acompanho futebol, torço para o União Barbarense, não faço a menor idéia se o Corinthians está bem, se está mal, o que eu vou falar?", alegou o nadador, vencido. "Não sei como funciona esporte coletivo. Posso mandar um 'Vai pra cima eles'?"Mas a maior queixa de Cielo é com repórteres que erram seu nome. "Lá em Pequim já teve um 'Thiago, qual a emoção de ganhar o ouro?'. Eu olhei meio torto, mas relevei. Mas aí o cara errou meu nome de novo, veio com Thiago. Poxa, me confundir com o Thiago?", reclamou Cielo.A confusão com Pereira já custou até um patrocínio ao nadador. "Fui a uma reunião com diretores de uma empresa, e olha, falaram de tudo: Scherer, Fernando, Thiago. Saiu de tudo, menos César Cielo de lá", lembra o nadador. "Tive que levantar e sair, porque já não fazia o menor sentido discutir patrocínio, os caras nem sabiam quem eu era."As longas horas nos estúdios de TV também cansaram o nadador. "Ah grava uma vez, daí volta, faz de novo, isso tudo é bem exaustivo, fora o tempo de espera até iniciar o programa. Nisso, vai o dia todo", contou o atleta, inexperiente, que até relevou perguntas dos desinformados sobre natação."Me perguntaram se o Phelps me põe medo nos 400 m medley, prova que eu nunca nadei na vida. Aí eu eu disse que sim, e veio aquela cara de espanto do repórter. Até a Joanna Maranhão ganha de mim nos 400 m medley", se diverte o nadador. "Ah e tem a pergunta da virada, que é boa também. Perguntaram se eu melhorei a virada dos 50 m", diz, em menção à prova em que levou o ouro olímpico e tem apenas uma passagem pela piscina, sem viradas.Sucesso entre os populares, Cielo se mantém paciente no levantamento de bebês para fotos, além dos incansáveis autógrafos. "Sempre tento dar atenção a todo mundo, mas às vezes exageram, né? Tem gente que tira uma foto, não gosta, tira outra, critica, tira outra. Além dos papéis de autógrafo que se multiplicam. Cada um que pede quer outro pro filho e mais um outro pro sobrinho, pro vizinho..."Esta semana, Cielo vai a Salvador para descansar e participar de mais alguns desfiles. A volta à piscina está marcada para outubro - se a agenda permitir.





fonte: Uol

brigada Wal! ;)
-





mais uma foto :G





6 comentários:

Juuh disse...

Mto fofo ele no dsfilee.
Aaah, ele vai dsfila + em salvador, viu Jack! eh uma esperança! ;)

Bjoos.

mayara disse...

coisa mais perfaa esse menino sm camisa :G

Karinny disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkk
q resenha essa sessão micos dos fã, reportes e afins, pobre até qdo ganhou o ouro o chamaram de Thiago??? kkkkkkkkkkkkk não sim eles são praticamente gêmeos kkkkkkkkkkkkkkk E na foto dele tomando a vacina se nota o sorriso tenso dele tadenho não gosta de injeções!!!!
valeu pelas reportagens

nathalia disse...

Chamar o cara de Thiago é mser míope, caramba.
Adorei saber das gafes e ver as fotos!
Valeu, Jack! =)

Anônimo disse...

Muito boa essa matéria do UOL.É cada uma pior ou melhor que a outra dependendo da ponto de vista.Pior pela intensidade da gafe e melhor pelo quão consegue se tornar engraçada.Mas cara perguntar se ele melhorou na virada dos 50m,é assinar atestado de desinformado e incompetente.QUE ISSO!Não precisa ser expert em natação,tem internet hoje pra quê?
E o caso das fotos? Primeira:ah não gostei meu cabelo ficou feio.Segunda:Apaga cortou a pontinha da minha sobrancelha.Terceira:Ih apaga também,pisquei! HAHAHAHA

mendes disse...

Ixiii..
que anônimo nada,assinando agora
(mendes)olha a gafe,isso que dá falar dos outros. HAHAHAHAHAHA